31 julho 2022

Os perrengues que ninguém conta.

 Sobre nossa ida a São Paulo, o Luís voltou pra JF antes de mim, pois tinha que trabalhar. 

Eu saí de São Paulo e fui visitar uma prima, na cidade de Taubaté. Depois vim de Taubaté para JF. 

Sempre compro passagens e vejo os roteiros com antecedência. 

Não tinha ônibus direto de Taubaté para Juiz de Fora na data da minha volta. Sem problemas. Estava de boa em fazer uma conexão no Rio. Eu ficaria na rodoviária do Rio de Janeiro por 2h, aguardando o ônibus para JF. Levei na bolsa até um livro pra eu ler na viagem e na rodoviária. rs. 

Cheguei na rodoviária de Taubaté faltando uns 15 minutos para o ônibus chegar. Não chegou, não chegou. O ônibus atrasou 1h e 10 minutos. Pensei eu: "tá bom, pelo menos não vou esperar tanto tempo na rodoviária do Rio". 

O ônibus fez uma parada de 40 minutos na estrada. Ele vinha de Santos-SP, tinha passageiros no ônibus que estavam há muito tempo viajando e precisavam almoçar. Ok.

Pesquisei no maps do celular quanto tempo levaria para chegar na rodoviária do Rio. 

Percebi que eu não chegaria a tempo de pegar o ônibus da conexão. 

De dentro do ônibus mesmo já liguei para a empresa em que comprei a passagem, expliquei a situação. Conseguiram uma vaga pra mim no próximo ônibus do Rio para JF. 

Cheguei ao Rio, esperei uns 40 minutos e entrei no ônibus para JF.

Ao todo, 12h de viagem. 


Tá bom. Tá ótimo. 

Imprevistos acontece e precisamos saber lidar com os imprevistos. 


Durante a viagem, gosto de observar as paisagens. 
Céu, montanhas, árvores, animais...





Enquanto esperava...
Não se engane com essas malas. 
Tinha mais duas encostadas ao lado. 
Esse foi o meu maior desafio na viagem... dar contas de 4 bagagens. 
Deu tudo certo. 
Quando me embaracei para passar em uma catraca, uma pessoa me ajudou. 


Abraço. 
AnaVi. 


29 julho 2022

O blog e as interações.

 Antes de tudo, quero dizer que tenho um link de indicação na Amazon. 
Se você costuma fazer compras nesse site, você pode comprar usando meu link.

Basta clicar no link abaixo ou em um dos links na lateral do blog, e digitar o produto que você precisa. 

Meu link da Amazon. Clique aqui. 

Thanks. 

Agora, vamos para a postagem. 

_________

Quando eu criei o blog, em 2011, não imaginava tudo que ele me permitiria viver. 

Sou uma pessoa que gosta muito de interações, de conhecer novas pessoas, novas culturas. E, por aqui, vamos conhecendo uns aos outros, a partir do que lemos, do que vemos, das fotografias. 

Às vezes esperamos uma nova postagem do blog amigo. Esperamos acompanhar a história, a conquista, a alegria, o crescimento dos filhos... rimos, nos alegramos... até choramos. 

É comum que nos identifiquemos com determinados blogs. 

Histórias verdadeiras, admiração, encorajamento... a vivência dessas situações aqui no blog, me levou a encontrar presencialmente com as amigas fora deste espaço. 

Em 2013, encontrei com umas amigas de blog em Paraty-RJ, na Flip. Veja neste post.

Em 2016, encontrei com a Tina e a Ana Paula, na Bienal do Livro, em São Paulo. Veja neste post.

A vida anda por tantos caminhos. 

O tempo fica mais escasso. Trabalho, família, cuidados com minha mãe, casamento, mais trabalho... 

Mas, vez ou outra apareço por aqui. Registro uma história. Vejo os amigos em seus blogs. Gosto disso. 


Eu e o Luís decidimos ir para São Paulo. 
Não tivemos muito tempo para planejar com antecedência. 
Vimos a coincidência de férias + folga, parcelamos a passagem e a hospedagem no cartão (hahaha), e fomos. 

Quando comprei a passagem eu pensei: Vou enviar uma mensagem para a Ana Paula. Passou um dia, dois dias, chegou o dia da viagem e eu não tinha mandado a mensagem. 

Quando cheguei em São Paulo enviei uma mensagem dizendo que eu e o Luís estávamos lá e informei até que dia ficaríamos. E conseguimos nos encontrar. 

Encontros que são presente.



Uma oração. 
Um café na Av. Paulista. 

Agradeço ao blog, agradeço a mim mesma, agradeço à Ana Paula pelas interações, pela troca de cartas, pela escuta, pela sensibilidade que existe em nossa amizade.

É bom partilhar a vida assim, com pessoas que são de verdade, que são transparentes, que divide emoções, sorrisos, lágrimas. 

Gratidão. 

22 outubro 2021

Casamento - meu buquê

 A última postagem que fiz aqui foi há 5 meses. 

Dois meses antes do meu casamento. 


Se a vida de quem não casou em 2021 estava corrida, imagine a vida de quem estava se organizando pra casar. 


Durante estes últimos anos... 2019, 2020 e 2021, experimentamos de maneira muito concreta a presença e a proteção de Deus em nossa família. 


A espera e a realização do transplante de minha mãe... o casamento meu e do Luís... 


Deus é bom o tempo todo. 


-----*-----*-----*-----*-----*-----*


Quando meu pai faleceu eu senti imensamente sua falta no dia do meu casamento. 

Não sabia nem se teria um noivo, nem quem seria esse noivo. 


Enquanto eu vivia tudo de gostoso que uma noiva vive, no tempo que antecede seu casamento, eu também pensava na minha entrada na Igreja... 

Se minha mãe teria condições de entrar comigo... 

Se eu escolheria um tio, um homem, para representar meu pai... 

E também sentia falta do meu pai, também sentia falta do José...

Conversei isso com Deus. E com o próprio José. Em minhas orações, em meu coração. 


Nessas andanças pela internet, encontrei uma inspiração: Um relicário. 

Decidi fazê-lo para sacramentar a presença do José comigo, no dia do matrimônio. 


Partilho com vocês, meus amigos deste blog. 


Vocês sabem né... que este blog foi criado em 2011. 

No primeiro dia dos pais que passei sem o José. 

Aqui conheci muitas pessoas que também viviam diferentes lutos. 

Aprendi e aprendo muito com as amizades e interações que faço neste blog.









Nós 3, e o sacramento de José. 




O buquê ficou do jeitinho que eu pensei. 



Abraço pra você que passa por aqui. 

Até mais. 


02 maio 2021

Clube do livro


O clube do livro que proponho nasceu da vontade (e da saudade) de compartilhar histórias com as crianças, adolescentes e adultos. Ainda estamos vivendo a pandemia. Ainda estamos em isolamento social. Muitos alunos sofrem seja com a ausência de aulas on-line, seja com as intermináveis aulas on-line. Os professores também se encontram esgotados. Em meio a isso tudo, pensei numa forma leve e gostosa de aproximar crianças e adolescentes que gostam de ler e conversar sobre as histórias. Temos um grupo de crianças e adolescentes do Ensino Fundamental 1 e Ensino Fundamental 2, que fazem leitura de textos e livros de acordo com a sua faixa etária.


O primeiro livro que lemos foi esse: 

“Catarina e o Lagarto” é um livro instigante.

É aquele tipo de “histórias para crianças” que mexe com os adultos.

A menina estabelece vários diálogos com seu amigo Aniceto, o Lagarto. Essas conversas instigam Catarina a buscar mais informações sobre o que Aniceto falava. Sua Vó Bela ajuda a buscar novos conhecimentos sobre o mundo e sobre sua própria história.

Que riqueza!

Aniceto veio do continente africano numa caixa de papelão. Mas o livro não nos deixa esquecer de tantos homens e mulheres africanos que foram escravizados e vieram para o Brasil em navios nada confortáveis. Atualmente, muitas famílias vão e vem neste caminho Brasil x África, de avião.

O livro nos leva à descoberta ou à lembrança de nossa ancestralidade.

É necessário conhecer a nossa história. As nossas raízes.

Este livro está disponível em um site com domínio público. 

Clique aqui para acessá-lo.


 Eu selecionei algumas frases desse livro. Frases que chamaram minha atenção e também dos alunos que partilharam suas impressões sobre o livro comigo. 






Se você já leu ou ainda vai ler o livro, me conte suas impressões sobre ele. 

Grande abraço. 

Ana Virgínia. 

 

18 abril 2021

Dia Nacional do Livro

Em homenagem ao aniversário natalício de Monteiro Lobato, no dia 18 de abril comemora-se o dia do livro. 

É verdade que existe muitas críticas a Monteiro Lobato, devido a muitas questões. 
Principalmente questões raciais. 

 Assistindo alguns vídeos no YouTube, deparei-me com este. 


No final do vídeo, Cortella conta uma história, de um casal de idosos que foram alfabetizados depois dos 85 anos de idade. 

História para inspirar e trazer esperança. 




 

04 abril 2021

Feliz Páscoa

 Feliz Páscoa. 

Por aqui o nosso coração está sereno. Vivendo aquilo que chamamos de "sentido da Páscoa". Escutamos sempre: o sentido da Páscoa é: Renascimento, Paz, Alegria. 

A Ressurreição de Jesus. Este é o sentido da Páscoa! 


Minha mãe é um dos motivos desta celebração, deste renascimento. 

O transplante foi uma oportunidade de nova vida, de esperança, de alegria.



Esta foto acima é de ontem, sábado de aleluia. 
Ela, na varanda da casa dela. À espera de um carro. De um carro que trazia o irmão que lutou e venceu a Covid. Ontem foi o dia da alta dele. 


Foi outro renascer. Outra vida nova. 

E, por aqui, aprendemos a celebrar as pequenas vitórias, a comemorar as coisas mais simples da vida, a demonstrar amor em cada momento. 

Tio Selmar sempre foi o nosso apoio, a nossa base. Durante a doença dela, antes do transplante, ele se esforçava, se sacrificava para nos ajudar. Ia ao mercado. Trazia comidas. Arrumava alguma coisa na casa. 

Durante os 15 dias que ela esteve internada, ele foi a carona, o motorista que, muitas vezes, levava eu e minha irmã para revezar de acompanhante. 

No dia da alta, ele fez questão de ir buscá-la no hospital. 



Três dias depois ele começou com sintomas leves de Covid. Esses sintomas que se confundem com gripe ou dengue. Após uns dias os sintomas se agravaram. Teve 80% do pulmão comprometido, foi entubado. 

Houve em nós uma enorme tristeza, desespero, angústia. 

Os médicos ligavam todos os dias. No final do dia. Ligavam para a esposa dele. E nós ficávamos esperando as notícias. Nos 8 dias de entubação, a notícia era que o estado era grave, mas estável. Em alguns dias a notícia de que ele estava respondendo aos medicamentos, trazia um pouco de consolo para nós. 

No meio de tudo isso, de todos esses sentimentos, nós rezamos, oramos. 

Todo dia rezamos. Até hoje. 

Marcamos um horário e nos reunimos. 

A oração era uma forma de enviar nossos desejos de melhora, nossa energia positiva. E a oração também acalmava nosso coração, dando-nos esperança. A oração fazia bem pra ele e pra nós. 

Foi muito emocionante o dia em que ele foi para o quarto e, do celular da sua esposa, participou conosco da oração que fazíamos. 

Ontem também foi emocionante. 
O primeiro dia dele em cada, participando conosco da oração. 


A oração reuniu e reúne a nossa família, amigos, familiares de longe. 

Assim tem sido a nossa celebração da Ressurreição de Jesus e Renascimento de vidas em nossa família. Celebramos com alegria e paz este dia e esta data. Cada um na sua casa. Fazendo ligações e sentindo saudade da casa cheia e da troca de bombons. Esperamos também pelo horário da nossa oração à noite.


---- 

É verdade que ainda sofremos. 
Juiz de Fora sofre. 
Minas Gerais sofre.
O Brasil sofre. 
O mundo sofre. 


Ainda choro pelos amigos que perdi. 
Ainda choro por aqueles que não tiveram condições de ser atendidos nos hospitais. 


Por aqui ainda tenho medo e crise de ansiedade. 
Mas, celebro as oportunidades de alegria e vida nova. 

É importante ver as flores que estão no caminho. 


Feliz Páscoa para você, com a esperança de dias melhores para todos nós. 












18 março 2021

Transplante de fígado

 Eu postei aqui, em setembro do ano passado, sobre uma experiência que tivemos enquanto minha mãe estava na fila, à espera de uma doação de órgãos. 


Pois bem, os dias por aqui estavam tumultuados, angustiantes, cheios. 

No início de 2020 tivemos as notícias sobre a pandemia e também sobre a situação da saúde da minha mãe. 

Em setembro de 2019 recebemos a notícia que ela precisaria de um transplante de fígado, devido a uma cirrosa de causa não identificada. 

Em dezembro de 2019, os exames que ela fez indicaram que ela não precisaria mais de um transplante. 

Em março de 2020, os exames voltaram a mostrar grandes alterações. Novamente estávamos na fila para um transplante de fígado, à espera de um órgão.

Em agosto de 2020, conforme citei na postagem do link acima, recebemos uma ligação que nos informava a doação de um órgão compatível. Mas a cirurgia não pôde ser realizada. (Leia lá). 

Daí por diante, tivemos mais esperança. 

Soubemos que minha mãe estava na ponta da lista. Ela era a primeira da lista para receber um fígado que fosse de um doador com o mesmo tipo sanguíneo dela.

Ao mesmo tempo que tivemos esperança, tivemos também muitos dias difíceis. A situação dela estava se agravando a cada dia. Já não conseguia realizar as tarefas básicas em casa. Ficou dependente de nós (de mim e minha irmã). Nós duas trabalhando, dependíamos de amigos e vizinhos seja para uma alimentação para ela ou levá-la ao hospital semanalmente. 

Embora toda dificuldade e sofrimento, cada dia levantávamos com coragem, com fé. 

Os médicos diziam que, com a pandemia, o número de cirurgias de transplante diminuíram muito. 

---------

No dia de fevereiro, sábado à noite, estávamos em casa. 

Sentados na sala, assistindo TV, conversando sobre a vida. 

O telefone da minha mãe tocou e estava próximo de mim. 

Era um número diferente. Não estava salvo na memória do telefone. Esse fato - ser um número diferente - já fazia nosso coração disparar. Podia ser o médico que avisa sobre o transplante. Toda vez que o telefone tocava e era um número diferente, pensávamos que podia ser o médico. 

Nesse dia era ele mesmo. Novamente. 

Ele se apresentou e, novamente, uma grande emoção tomou conta de nós. 

Minha irmã estava aqui em JF. Nossos namorados estavam conosco. Minha sogra e uma vizinha amiga também estava aqui. 

Ao anunciar que era o médico, tive que sair da sala para ouvir o médico, pois a emoção e a esperança foram traduzidas em choro, lágrimas. 

Meu coração estava quase saindo pela boca. Mas, sabia que era necessário concentrar nas orientações dele. 

Após a notícia, fizemos uma oração. Oração de agradecimento. Oração de esperança. 

O médico disse que, novamente, o doador não era da nossa cidade. 

A captação do órgão aconteceria em outra cidade. E fez todas as orientações. 


----- 


Minha mãe internou no dia 21 de fevereiro, domingo, pela manhã. 

Eu e minha irmã pudemos acompanhá-la até por volta de 14h, quando foi para o centro cirúrgico. 

Existia em nós um medo que os médicos dissessem que o transplante não pudesse ser feito. Mas existia também uma grande esperança. Num determinado momento eles disseram que estava tudo certo para que a cirurgia pudesse acontecer. 

A cirurgia começou por volta de 16h. Terminou por volta de 1h da manhã. Quase 10h de cirurgia. 

A notícia que ocorreu tudo bem na cirurgia nos tranquilizou. 

Ela ficou 3 dias na uti. 

12 dias no quarto. Enquanto estava no quarto, eu e minha irmã revezamos para ficar com ela durante todo o tempo. 

Agora ela está na recuperação da cirurgia. Estamos em isolamento em casa, enquanto a cidade está em Lockdown. 

Está se recuperando bem. Alimentando bem. Voltando a andar, devagar. (Antes da cirurgia ela não aguentava andar muito bem). 


Existe uma mistura de sentimentos entre nós. 

A gratidão a Deus e ao doador de órgãos. A gratidão a tantas pessoas que nos ajudaram até aqui. A gratidão às equipes dos hospitais por onde passamos. 

Tudo isso será assunto para as próximas postagens. 

No dia da cirurgia.




Antes de ir para o centro cirúrgico.




No hospital, 10 dias após a cirurgia, hora da fisioterapia. 


Abraço. 
Até mais.