26 dezembro 2019

Transplante 1

O mês de setembro foi um mês difícil pra nós.

Recebemos a notícia que minha mãe precisará de um transplante do fígado.
O histórico da doença hepática dela é: gordura no fígado, depois uma cirrose sem causa definida. Nunca bebeu exageradamente. A biópsia do figado não acusou o motivo da cirrose.

Uma notícia assim demora pra ser compreendida.

Não foi fácil pra minha mãe aceitar essa proposta. Mas é a única opção para viver mais e melhor.

Aceitamos, entregamos nas mãos de Deus e começamos a fazer os muitos exames, consultas e vacinas do pré-transplante.




Para conseguir entrar na fila do transplante, o paciente deve ter o laudo de muitos especialistas dizendo que ele está liberado para o transplante. E estamos fazendo isso.

Setembro também foi o mês de conscientização sobre a doação de órgãos.




E esse tema nunca tinha feito parte dos meus diálogos ou dos meus pensamentos. Mas, muita coisa nesse mundo, nós damos importância quando nos atinge.

Então, desde setembro, a doação de órgãos e o transplante de fígado têm sido assunto com o diálogo entre meus amigos, e pesquisas com médicos e na internet para conhecer mais sobre.

Temos acompanhado, por meio de uma hastag no instagram #transplantedefigado, pessoas que também passaram por essa situação e tiveram uma significativa melhora em sua qualidade de vida. E são essas notícias e a fala dessas pessoas que nos dão esperança.

Você conhece alguém que já passou por transplantes?

Você conversa com as pessoas ao seu redor sobre a doação de órgãos?




22 novembro 2019

Troca de cartas

Quem me conhece pelo blog ou fora dele sabe que amo interações entre pessoas.
Seja nas confraternizações de qualquer ocasião ou também aqui pela blogosfera, as interações entre os blogueiros e internautas.

Já promovi aqui no blog o projeto do Livro Viajante que foi maravilhoso. Também fizemos algumas troquinhas entre blogueiras.

Com algumas sempre mantenho contato também por correspondência. E é uma alegria quando chego em casa e encontro cartinhas pra mim.

Nessa intenção de trocar cartas com quem também gosta de hobby, está lançado a partir de novembro de 2015 o projeto "Cartas Hoje".

O ambiente virtual e toda a tecnologia que temos acesso hoje nos auxilia de muitas maneiras. Mas ainda existe dentro de nós aquela vontade de corresponder, de escrever no papel, de enviar um cartãozinho. Esse projeto é para as pessoas que gostam disso.

Será uma alegria ter você nesse projeto.






Veja como participar:


♥ Envie um email para:  cartashoje@gmail.com - com seu endereço completo e idade.

♥ Divulgaremos o endereço dos participantes somente entre este grupo de troca de cartas  e somente no mês em que confirmar sua participação. Fora isso não divulgaremos seu endereço para ninguém.

♥ Grupo no facebook

♥ Fan Page




19 setembro 2019

O sorriso de Jesus

Algumas vezes nós precisamos de um refrigério, de um colo, de esperança.
A religião serve para isso. Para dar sentido à vida. 
A religião é um pouco daquilo que nós projetamos. Nós criamos a religião. 

----------

Fiz atividade com crianças de 6 e 7 anos. 
Atividade sobre uma história da Bíblia. 
O texto foi o encontro de Jesus com Zaqueu. 


Trabalhamos este texto e esta história várias vezes. 
Com contação de história, música, vídeo e desenho. 


Eu fiquei apaixonada pelos desenhos que as crianças fizeram, especialmente, o que mostrava o sorriso de Jesus. 




Na palestra do Leonardo Boff que eu fui ele disse uma frase que me fez arrepiar. 
Eu não lembro de quem é a autoria desta frase:

"Me fale sobre o seu Deus e eu direi quem você é". 


E quando vi o desenho de Jesus sorrindo eu sorri também. E agradeci porque as crianças estão conhecendo um Deus que é amor, um Deus que sorri, um Deus que nos ama e nos abraça. 


E é exatamente neste Deus que acredito. 


Uma criança que ouviu a história de Zaqueu, escutou música sobre essa história, viu vídeo sobre essa história, fez um desenho de Jesus sorrindo.

Jesus falou para Zaqueu descer da árvore e se ofereceu para comer na casa dele. 
A criança imaginou que nessa hora Jesus estava sorrindo. Jesus estava feliz de ir para a casa de Zaqueu, Jesus por causa da mudança de atitude de Zaqueu. 

Jesus também fica feliz em entrar na nossa casa e também provocar mudanças de atitude em nós. 


------

O meu refrigério, o meu conforto nestes dias que tem sido difíceis por aqui é o sorriso de Jesus, é a companhia de Jesus. 


Um abraço para você que passa por aqui. 


-----

Outros desenhos sobre a atividade da história de Zaqueu. 






12 setembro 2019

150 anos do Cartão Postal

Eu faço parte do projeto Postcrossing

Troca de cartões postais com pessoas do mundo inteiro. 
Amo isso. Conhecer outras pessoas e outras culturas por meio de cartões postais. 

No dia 1º de outubro, os cartões postais completam 150 anos.

Foram criados em 1869 como uma maneira  de enviar uma mensagem simples. 

Atualmente os cartões são lembranças de lugares, eventos, cenas que alegram as caixas de correios de quem os recebe.




Aqui no Brasil teremos comemorações em Brasília e em São Paulo.


E você, gosta de enviar e receber cartões postais? 

Conheça também o projeto de troca de cartas "Cartas Hoje"






09 setembro 2019

Nossos talentos.






"O talento é dado a todos, sem exceção.
Por instinto e vocação, todos nos concebemos, nos rascunhamos, nos passamos a limpo e nos apresentamos em público na versão que julgamos menos falha ou mais convincente. 
Depois, voltamos corajosamente para dentro de nós e labutamos. 
Tentamos nos emendar, nos corrigir. 
Cortamos aquela parte que nos incomoda ou não soa bem e acrescentamos algo que agora nos da sentido."

(O Arroz de Palma) 

05 setembro 2019

Buscar conhecimento sempre...


É necessário aprender um pouco a cada dia para aperfeiçoar os dons e alimentar a criatividade. 

Caso queira conhecer meu trabalho na confeitaria... 

04 setembro 2019

Cotidiano

Eu trabalho desde os meus 18 anos.
Meu primeiro emprego foi no mesmo bairro em que eu morava e ainda moro.
Raramente precisava de transporte público para ir trabalhar. Só quando chovia.


Depois fui trabalhar num bairro vizinho. Não era tão longe.
Um ônibus para ir e um ônibus para voltar.
Uns 10 minutos dentro do ônibus que estava sempre cheio. Na maioria das vezes não dava nem pra sentar.


Há um ano vivo uma outra experiência nos transportes públicos.


Minha casa fica bem mais distante do meu trabalho.
Dois ônibus para ir, dois ônibus para voltar.
Um trajeto que dura uma hora, aproximadamente.


Quando percebi o enorme tempo que levo para ir e voltar para casa, eu tive várias iniciativas para fazer com que esse tempo fosse produtivo: ler um livro, estudar, ouvir um pod cast, fazer as postagens nos instagrans que eu gerencio, responder as conversas de whatsapp...


Tento aproveitar o tempo com alguma dessas atividades, mas, na maioria das vezes, eu estou cansada. E cochilo. O ônibus sacode muito, as ruas são totalmente irregulares. Quando volto para a casa cochilando, abro os olhos de vez em quando, para saber onde estou, se o meu ponto está chegando.


Sobre querer que todo o tempo seja produtivo, estou desistindo dessa ideia. Nem sempre faz bem pra gente. E, talvez o tempo dentro do ônibus ou no ponto enquanto o espero, seja mesmo para observar as pessoas, as situações; sorrir para uma criança; entrar naquela conversa com alguém desconhecido sobre o sol, a chuva, o acidente de ontem, sobre a vida.


Um dia eu até achei que era exclusividade de quem anda de ônibus cochilar em algum momento. Aí partilhando experiências com as colegas de trabalho, uma delas confidenciou que dia desses, ela voltava de carro para a casa, parou no sinal e cochilou. Acordou com os carros atrás buzinando. Perigoso isso.


Estamos cansados gente.




Vocês também cochilam no ônibus?